terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Hos Til


Apagava, desligava, apagava, desligava. Assim ficou durante um pequeno intervalo de sua vida, apagando e desligando a Luz de seu quarto escuro e ruido. Já passava das dez da manhã, e continuava deitado em sua cama quase caindo aos pedaços. Logo levantou-se, e foi lavar a sua cara pálida com olhos profundos. Caminhou até a sua sala vazia, com sua exterma solidão, se via jogado como uma roupa suja.

Seu dia começou assim. No nada! Se alimentava de suas lágrimas. Se imaginava o ultimo dos ultimos.

Até que em sua cabeça instalou algo que nunca tinha imaginado: A sua renovação. O novo mundo.

Botou a mochila nas costas e saiu daquela vida mediucre que nada lhe oferecia. Saiu sem destino.
Saiu em busca de aventura. Saiu ao novo. MUNDO.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

O Menino e o Beija- Flor


Mal me lembro desta história, mas mesmo assim vou contar.

"Lembro que em um dia de inverno, daqueles rigorosos que faz aqui no sul, meu pai me mandou eu ir comprar um bebedouro para beija-flor. Sai de casa tremendo, mas fui.
Logo quando cheguei a casa dei o bebedouro ao meu e ele no mesmo momento instalou.
Deste dia em diante minha casa nunca mais foi à mesma. A cada dia muitos beija- flor aparece para beber a água doce.

Mas no mesmo ano só já verão, um (uma) beija-flor, começou a construir seu ninho na área de casa, deixamos fazer, por que afinal é uma vida que está para nascer.
Numa manha eu sei lá o que estava fazendo, tive a curiosidade de saber como era por dentro do ninho, peguei uma escada e subi para ver.
Com apenas pedaços de galhos, folhas picadas e teias de aranha, até que este ninho ficou bem confortável para abrigar os filhotes.
Apartir deste dia comecei a visitar todos os dias, até que um dia uma surpresa:
Havia dois ovos, super pequenos e frágeis. Meu sentimento por ver aqueles dois ovinhos foi de alegria, pois nunca tinha visto.
Mas o melhor estava para chegar. Dias e dias vistoriando até que aconteceu: o nascimento.
Eram dois filhotes (feinhos, e sem penas), mas foi muito bonito ver aqueles dois frágeis animais começando uma vida.
Mas o pior aconteceu numa manhã de dezembro a mãe veio e alimentou, mas este foi o ultimo dia que ela veio, depois desse nunca mais. Desse dia em diante os filhotes começaram a ficar fraco bem dizer quase morrendo.
Foi quando eu virei o “pai” deles, então diante disso, comecei a alimentar eles, pegando um pedaço de algodão enrolado em um palito e mergulhando em uma água com açúcar.
Dias e dias acordando cedo, na verdade eles me acordavam, dando um grito fino, que mal dava para ouvir. Um dos filhotes, depois que a “mãe” (se é que pode ser chamada de mãe), foi embora, ficou muito fraco, e mesmo alimentando todos os dias, não adiantava.
Quase chegando o natal, numa manhã, fui alimentar eles, mas um deles estava cada vez mais fraco nem abria a boca mais, o peguei e simplesmente morreu em minha mão. Foi triste, quase chorei, mas não quis chorar.
Levei para o fundo da minha casa e enterrei.
Mas ainda tinha o outro que estava cada dia melhor.
Então na manhã de 24 de dezembro que ele deu seu primeiro vôo, foi meu desengonçado por que ainda estava fraco, logo que ele pulou de seu ninho caiu no chão e eu juntei e coloquei de volta ao ninho.
No dia 25 de dezembro, pela manhã ouvi os gritos finos, era ele pousado em um arame, como que dizendo ADEUS!
Mas não felizmente não foi um adeus, por que ele aparece todos os dias aqui em casa para beber, não sei se é ele, mas acho que é.


Escrevi este texto ao som de Beatles.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010


Tenho tendo bons dias, é realmente ótimos.
Esta semana tive que apresentar 2 trabalhos na frente de uma "multidão"(exagero). Antes de ir apresentar imaginei mil coisas que poderia acontecer comigo: Primeiro um desmaio, Segundo: começar a gaguejar e todo começar a caçoar de mim e mais outras coisas bizarras.
Quando cheguei lá na frente vi que não é o bicho de sete cabeças, apresentei naturalmente sem nenhum problema.
Acho que o povo brasileiro tem este problema de ficar com medo de se manifestar em público, por que tudo isso que está acontecendo em nossa sociedade é culpa nossa.
Já ficamos o bastante em casa de braços cruzados, está na hora de nos movermos, Let's Go!

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Passado Renovado


Roupas Velhas e Amassadas.
Papéis sem cor e sem Palavras.
Estão Guardadas em um Baú.
Onde serás que Andas Tu?
Talves tenha ido para o futuro,
onde tudo é Renovado.
Talves não Lembre do seu Passado,
Onde tudo era Velho, Sujo e Amassado.