quarta-feira, 10 de março de 2010

Reflexões Obsessivas


Estou afetivo com mundo, um mundo caótico impulssivo e delinquente. Sobrevivendo graças a algo intenso e interno. Seu jeito é estar ai de vida ao léu ao adormecer se repele de outro de poucos de muitos. Não sei o que realmente os persegue a sua vida platônica e infiel ao encontro do desconhecido.
Cansado esperei rios e mares até chegarem e passarem por cima de mim, sei mesmo o que deveria ter feito, mas não fiz.
Com braços abertos me impulsionei ao infinito, definitivamente aguado-doce.
Idolatrei minhas pernas e braços, deixei escapar o medo pela boca, me coloquei em uma situação geniosa, constrangedora

Hoje percebo a existencia de uma de um fato [!]
Me espreguicei até entender um amanhecer intediante, fracassado e imundo.
Joguei pétalas de flores ao seu redor e esperei por muito tempo a ânsia de viver loucamente.
Já não basta este deserto bagunçado por multidões de pessoas a nossa espera sei bem que a vitória é de chegar aonde realmente deseja chegar.
Abraços e apertos de mão juguei por ser incapaz de ver o verdadeiro o lógico, imaginava vinanças ao anoitecer, mas não há.
O não há já foi o que agora é presente é.

domingo, 7 de março de 2010

Mais que um amigo.



Esses dias eu loquei o filme "Sempre ao seu lado" que conta a linda história real de uma amizade entre o homem eo cão.



Duranteo filme chorei muito, pelas incríveis cenas entre os dois, assim pude perceber que a verdadeira amizade que podemos possuir é com um animal, seja qual for o animal.
Em casa eu também apenas um cachorro no qual se chama negrinho. As vezez pereço meio louco mas eu converso com ele e eu sei que ele me entende.
Tem pessoas que acham que só por que é um animal ele não possuem sentimento algum, mas isto é pura ignorância delas, todo o animal tem sentimento, ele s choram, eles tem dor, eles ficam alegres, só não se expressam com palavras mas sim com um olhar.
Se você prestar bem atenção em olhar de um desses cães de rua, vocês vão notar que não é um olhar alegre e sim um olhar tristonho, abatido pelo sofrimento em que vivem.

Segundo Pitagoras: "Enquanto o homem continuar a ser destruidor impiedoso dos seres animados dos planos inferiores, não conhecerá a saúde nem a paz. Enquanto os homens massacrarem os animais, eles se matarão uns aos outros. Aquele que semeia a morte e o sofrimento não pode colher a alegria e o amor."