quarta-feira, 14 de setembro de 2011

A Hora da Estrela


Até onde vai os mistérios do ser humano? Você já conseguiu descobrir? "Se fossem inventar para medir abalos sismicos literários, por certo tudo o que Clarice Lispector escreveu atingiria grau máximo". Para mergulhar na leitura de Clarice Lispector é preciso um preparo psicológico, pois você ira se deslocar para um mundo não imaginário, e sim para um universo realista com um toque de mistério, drama, pessoas tentando se enquadrar na sociedade.

Ao mesmo tempo que ousava desvelar as profundezas de sua alma em seus escritos, Clarice Lispector costumava evitar declarações excessivamente íntimas nas entrevistas que concedia, tendo afirmado mais de uma vez que jamais escreveria uma autobiografia. Contudo, nas crônicas que publicou no Jornal do Brasil ent
re 1967 e 1973, deixou escapar de tempos em tempos confissões que, devidamente pinçadas, permitem compor um auto-retrato bastante acurado, ainda que parcial. Isto porque Clarice por inteiro só os verdadeiramente íntimos conheceram e, ainda assim, com detalhes ciosamente protegidos por zonas de sombra. A verdade é que a escritora, que reconhecia com espanto ser um mistério para si mesma, continuará sendo um mistério para seus admiradores, ainda que os textos confessionais aqui coligidos possibilitem reveladores vislumbres de sua densa personalidade.

Texto de
Pedro Karp Vasquez.


Quer conhecer mais sobre a vida e obra dela, clique aqui.

Um comentário:

Inez disse...

É diante de todo esses mistério que está a grandeza de sua obra.