quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Passeio sobre folhas secas de outono.

De pés descalços, Virginia insistia em andar sobre restos de folhas do outono, esmagava cada folha com seus dedos delicados e ao mesmo tempo com uma força enorme que colocava em cada ponta dos dedos.
Virginia queria sentir a beleza do andar, queria ser andarilha da vida.
Olhava para cada passo dado, como se estivesse memorizando a sua volta, na qual não sabia como iria voltar.
Em algum momento pensava no entardecer, imaginando o sol adormecendo seus raios, queria enfatizar o seu momento de fraqueza.
Virginia, já adormecida, fintava seus sonhos desaforados, como alguém que quisesse cuidar de seus plenos imaginários, onde cada um quisera presenciar suas reflexões nada gentis e sim desafiadoras de uma mente conturbada e fraca.
Percebeu seu braços entrelaçados em seu peito, seus olhos pareciam querer apertar as suas pupilas, seus lábios saboreavam a armagura de um dia já nascendo com seus cantos de passaros e raios solares atravessavam sua pele, suas pernas ja queriam sair por ai, pisando em folhas secas de outono.

2 comentários:

joao silva disse...

"Olhava para cada passo dado, como se estivesse memorizando a sua volta, na qual não sabia como iria voltar."

Queria eu ser Virginia e ter prestado atenção nos passos dados. Bobeei, e hoje estou aqui, perdido sem lenço e sem documento...

Marina Sena. disse...

lindo texto.

sempre gostei do outono.
o verão é quente demais. e a primavera tem muitas flores.

até.
bjo, bjo, bjo...